[pt] Casa Pound Italia

Quem são

CasaPound Itália (CPI) é um movimento italiano de extrema-direita, oficialmente criado como “Associação de promoção social” em 2008. O fundador e figura proeminente de CPI é o cantante de rock Gianluca Iannone. Ele próprio define-se um “fascista do terceiro milénio” e participou nas eleições com o partido neofascista Movimento Sociale Fiamma Tricolore, antes de ser expulso de isso em 2008.

O nome CPI deriva do nome que foi dado a uma casa ocupada ilegalmente em 2003 em Roma por activistas de extrema-direita guiados por Iannone. O nome representa também uma homenagem ao poeta Ezra Pound. Por isso, a filha do Pound, Mary de Rachewiltz, protestou e “tem acelerado seu esforço” (1), também diante dos tribunais, depois de o extremista Gianluca Casseri, ligado ao CPI, ter atirado em cinco vendedores ambulantes senegaleses, matando dois, em Florença, a 13 de Dezembro de 2011 (2).

As ideias

O manifesto de CPI, chamado “A Nação”, estabelece o programa político do movimento. O manifesto reivindica uma “Itália social e nacional”, que deve tornar-se num “Estado ético” considerado como um “facto moral e espiritual”, como uma “guia e ponto de referência espiritual para a comunidade nacional”, para “reafirmar e retomar a sua soberania nacional e a sua autonomia”.
O manifesto também indica como próprias raízes culturais e políticas personagens proeminentes como Benito Mussolini, Gabriele D’Annunzio, Alessandro Pavolini (político fascista nos anos do regime), Giovanni Gentile (figura fundamental para o pensamento fascista) e o movimento futurista.

Mesmo que CPI tente evitar discursos quer explicitamente racistas contra os judeus ou contra os migrantes, quer de devoção à “Tradição” – assuntos habituais entre os partidos políticos e os movimentos da mesma área – o seu programa está claramente enraizado na tradição “social” da extrema-direita. As perspectivas económicas de CPI relembram o “corporativismo” fascista, o conceito duma sociedade baseada na harmonia entre os diferentes classes e sectores de produção, em nome do interesse e da unidade nacionais.

As visões sociais de CPI variam do chamado “mutuo sociale” para italianos (ou seja, pequenos empréstimos sociais baseados na soberania monetária que permitam a adquirição da casa de propriedade), ao bloco dos imigrantes às fronteiras nacionais. Portanto, CPI costuma criticar com força os bancos e o sistema financeiro em geral, junto com as medidas de austeridade, encontrando-se por estas razões perto de algumas lutas tipicamente de esquerda.

A ambiguidade é na verdade uma das mais importantes características de CPI, especialmente se observamos o background cultural que o movimento quer exibir. Mais de uma vez CPI organizou conferências e eventos sobre personalidades como Che Guevara, Jack Kerouac, Rino Gaetano (que foi um cantante italiano sem dúvidas de esquerda), e Peppino Impastato (militante siciliano do partido comunista Democrazia Proletaria que lutou contra a máfia, e por isso foi morto em 1978).

Controvérsias e violência

O movimento dos jovens de CPI, o Blocco Studentesco, foi fundado em 2006. Seu símbolo – um relâmpago dentro de um círculo – inspira-se no partido inglês “British Union of Fascists” (fundado por Oswald Mosley nos anos 1930), mas alude também aos símbolos utilizados pelos movimentos de esquerda de squats. Os membros do Blocco Studentesco tomaram parte nos tumultos que ocorreram em Novembro 2008 na Praça Navona, em Roma, durante os protestos de estudantes e professores contra a reforma da Escola e da Universidade do então ministro da Instrução Mariastella Gelmini.

Naquela ocasião, alguns militantes de CPI começaram a bater outros estudantes muito jovens com suas cintas – uma prática chamada por eles “cinghiamattanza”, termo que indica mais ou menos o ato de provocar lesões físicas com cintas. Os motins que vieram depois terminaram com a destruição dum bar e a intervenção de policiais – alguns dos quais, mais tarde, foram vistos falarem confidencialmente com os jovens leader dos estudantes de CPI.

Notas
(1) [en] Ezra Pound’s daughter fights to wrest the renegade poet’s legacy from fascists
(2) Também se Casseri não era membro oficial de CPI, ele costumava frequentar o local de CPI em Toscana, às vezes participando activamente em conferências. Ele escreveu também vários artigos para o site de CPI “Ideodromo”, prontamente removidos depois de 13 de Dezembro.

Fontes
– text [en] Florence Killings
– text [en] Italy fascists true Mussolini ideology?
– text [en] Far-right thugs menace Rome’s tourist spots in wave of violence
– text [en] Fornece um backgroud e análises sobre a chamada “Narrativa do se vitimizar” da “velha” extrema-direita italiana (dos anos ’70), disponível no sítio de Goolge books.
– video [en] Breve documentário sobre os tumultos de Praça Navona
– text [it] Dossier de CPI Nápoles com uma introdução geral
– text [it] A 25 Abril de 2004

Una-se a nós!
Precisamos dum falante nativo português ou que seja fluente nesta língua para revisar nossos artigos. Não hà muito trabalho, por agora. Levantem a mão!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s