[pt] O Movimento Cinque Stelle

O Movimento Cinco Estrelas (M5S) é uma organização política de base fundada pelo comediante Beppe Grillo em 2009. Muitas listas do M5S participaram nas eleições autárquicas italianas que decorreram em Maio de 2012: o Movimento conseguiu bons resultados (de 3% a 12%).
A inspiração para o M5S proveio do sucesso do assim-chamado “V-Day”, uma grande quermesse organizada por Grillo em 2007: uma multidão reuniu-se na Praça Maggiore, em Bolonha, onde explodiu um imenso “foda-se” contra os políticos (a assim-chamada “Casta” de governadores e administradores) e a imprensa (comummente considerada não livre e controlada por poderes económicos).
O M5S tem sido criticado por causa da sua abordagem “anti-política”, mas em poucos anos atirou activistas, seguidores e simpatizantes. Estas pessoas, não acostumadas a tomar parte na actividade política, partilharam a sua primeira experiência de activismo nos “Meetup” (os grupos locais) de Grillo. Além disso, a agenda do M5S focaliza-se em questões que parecem atravessar as ideologias: o ecologismo e o decrescimento, a liberdade digital, a democracia directa, a transparência. Na verdade, os activistas do M5S afirmam orgulhosamente serem favoráveis às “ideias” para pôr em prática, e contra qualquer ideologia.

A Internet é o meio principal do seu activismo, e servem-se do social network Meetup para se organizarem, discutirem e tomarem decisões. O bem-sucedido blogue de Grillo (versão inglês) representa o único “think-tank” do M5S. Aqui se podem encontrar os comentários explosivos do comediante contra os políticos, denúncias da injustiça da economia corporativa e ideias “revolucionárias” sobre a economia verde e uma melhor sociedade.
O M5S tem atraído também varias críticas. Em primeiro lugar, é importante observar que as ideias de Grillo sobre muitas questões – a imigração e a economia, por exemplo – são bastante ambíguas. Muitos dos seus seguidores são de esquerda, decepcionados com os partidos tradicionais, e que partilham opiniões progressistas sobre estes assuntos; contudo, outros activistas parecem mais conservadores, e às vezes chegam a ter ideias xenofóbicas e cripto-fascistas.

O guru informático de Grillo, Gianroberto Casaleggio, é geralmente considerado como o verdadeiro inspirador do M5S. O seu pensamento sobre a ideia de democracia, expresso em dois vídeos (titulados “Prometeus” e “Gaia”), está longe da ortodoxia: na sua opinião, as esperanças da humanidade podem só residir num holocausto nuclear que vai reduzir drasticamente a população do Planeta; e também na Internet, que é considerada, por si mesmo, a incarnação da Liberdade. Estas ideias sobre a Internet (que não implicam nenhuma crítica, por exemplo, às poucas empresas bilionárias que na realidade monopolizam a Web), são ingenuamente apoiadas pela maior parte dos activistas do M5S.
O papel de Casaleggio no M5S provocou umas críticas entre os activistas depois das eleições autárquicas de 2012. Alguns candidatos do M5S eleitos em administrações locais denunciaram que fora criada uma “comissão central” extra-oficial sem qualquer procedimento democrático: as pessoas foram simplesmente escolhidas por Casaleggio, e o mesmo Grillo pareceu não ter nenhum peso nestas decisões.
O operador financeiro Eugenio Benettazzo é um dos “consultores económicos” de Beppe Grillo, e seus controversos artículos são publicados muitas vezes no blogue de Grillo. Às vezes Benettazzo participa aos encontros organizados pelo partido neofascista Forza Nuova. Aliás, ele escreveu um artículo controverso, no qual argumentava que a crise tinha acontecido nos EU por causa da “promiscuidade racial”.
Sendo “nem de esquerda, nem de direita”, o M5S consegue atrair pessoas de ambas as partes, mas também outras sem postura política definida. O núcleo da visão política de Grillo neste sentido é claramente populista: “a gente”, “a população” representa o único “verdadeiro” sujeito político, e não há espaço para as tradicionais divisões de classe.

Este tipo de populismo, frequentemente acompanhado pela ideia que os políticos se devem considerar simplesmente como administradores “empregados” pelos cidadãos, está profundamente enraizado na consciência política italiana. Uma personagem semelhante a Beppe Grillo – o comediante e jornalista Guglielmo Giannini – nos anos 1940 fundou um partido político chamado l’Uomo Qualunque (“O Homem Qualquer”). Embora tivesse tido uma breve existência, este partido teve um grande sucesso nas primeiras eleições da Itália no pós-guerra. O Uomo Qualunque de Giannini foi só o primeiro duma longa lista de partidos e movimentos “qualunquísticos” e populistas, bem enraizados na classe média italiana, que apareceram na história italiana recente.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s